O Tribunal de Contas de Pernambuco realizou uma sessão especial nesta quarta-feira (1º), antes da sessão do Pleno, para reverenciar a memória do seu ex Auditor Geral Luiz Arcoverde Cavalcanti, que morreu na última quinta-feira, 26/10, aos 89 anos de idade, em decorrência de um AVC (acidente vascular cerebral).

Por designação do presidente em exercício, Marcos Loreto, o atual Auditor Geral do órgão, Carlos Barbosa Pimentel, falou em nome do Conselho. Ele propôs um voto de pesar pelo falecimento do ex-auditor, destacando a importância dele para o TCE e os serviços prestados à instituição.

“Além de uma capacidade intelectual diferenciada que o conduziu completamente lúcido aos quase 90 anos de idade, Dr. Luiz foi uma pessoa de rara sensibilidade para questões humanas. Tinha uma identidade muito forte com este Tribunal, a ponto de visitá-lo semanalmente, sempre às quartas-feiras, mesmo depois de aposentado, momento em que servidores da Auditoria Geral vinham ouvir suas histórias”, disse Pimentel.

Lembrou, em seguida, que quando ocupava o cargo de Auditor Geral, Luiz Arcoverde Cavalcanti costumava receber em seu gabinete, “com presteza incomum”, aposentados e pensionistas do Governo do Estado, buscando soluções para o recebimento de seus benefícios, “e ele se esforçava ao máximo para atendê-los, sem jamais se afastar da seara legal”.

Por fim, disse ao ingressar no TCE, 21 anos atrás, por concurso público, uma das primeiras pessoas que procurou foi justamente Luiz Arcoverde Cavalcanti, então Auditor Geral, que se colocou à disposição para ajudá-lo no que fosse preciso. “Deixa saudade”, salientou.

ETERNO MESTRE – O conselheiro Valdecir Pascoal ratificou as palavras de Pimentel e, por meio de um texto escrito especialmente para a ocasião, também prestou sua homenagem a Luiz Arcoverde Cavalcanti, por quem foi chefiado quando era auditor substituto. Definiu-o como “eterno mestre”, e “Meca”, para aqueles gestores e aposentados mais singelos, “que enxergavam nele a certeza e a esperança de uma solução justa”.


“Foi também Meca também para nós, conselheiros e servidores, e especialmente para mim, nos anos 90, quando, diariamente, frequentava a sua sala em busca da ‘luz do doutor Luiz’. E lá no seu recanto, ao lado da tradicional máquina de escrever e de centenas de processos espalhados sobre sua mesa, ele parava, ouvia e sempre descortinava um caminho. E a nossa resposta se repetia; ‘Obrigado mestre!’. Luiz Arcoverde foi, de fato, sem ser conselheiro formal, o nosso melhor e maior conselheiro”, declarou Valdecir Pascoal.


Observou ainda que ele era “culto, inteligente, elegante, manso, cheio de humor e irreverências”, que “sentia prazer no trabalho” e também em servir aos seus semelhantes. “Era um humanista no sentido mais generoso e inclusivo dessa palavra-atitude”, salientou.


SIMPLICIDADE –
O conselheiro Dirceu Rodolfo, ao prestar sua homenagem ao ex Auditor Geral, chamou-o de “engenheiro da hermenêutica” pela capacidade que sempre demonstrou no sentido de construir “saídas jurídicas” para os diferentes tipos de conflitos com os quais se defrontava à frente do cargo que exercia.

“Era antes de mais nada simples, mas uma simplicidade espontânea. E tinha a excentricidade dos gênios e uma capacidade de trabalho muito acima da média”, observou.

Para o conselheiro Ranilson Ramos, que ingressou no TCE, indicado pela Assembleia Legislativa, quando Luiz Arcoverde Cavalcanti já estava aposentado, sua convivência com o ex Auditor Geral foi curta, porém enriquecedora. Lembrou que logo após ser empossado, em março de 2013, ele o visitou em seu gabinete com duas finalidades: parabenizá-lo por ter dispensado a posse festiva e colocar-se à disposição para ajudá-lo, sempre que fosse acionado.

DEPOIMENTOS – O conselheiro Marcos Loreto, que presidiu a sessão, apesar de ter delegado a Carlos Pimentel a incumbência de homenagear Luiz Arcoverde Cavalcanti em nome do Conselho, deu o seguinte depoimento sobre ele: “Quando ingressei no Tribunal de Contas, também indicado pela Assembleia Legislativa, Dr. Luiz tinha 79 anos de idade. Poderia estar em casa, aposentado, convivendo com sua esposa, Dona Lígia e seus filhos Luiz Arcoverde Filho (conselheiro substituto) e Liz de Fátima, mas fez opção pelo trabalho. Chegava a este Tribunal antes das 7h da manhã e era um dos últimos a sair. Sua presença aqui nos enriquecia, pois ele enxergava solução para certos problemas que os próprios advogados de defesa não conseguiam. Foi um homem bom, generoso e justo, daí a razão desta sessão especial em sua homenagem”.

O advogado Márcio Alves, em nome dos colegas que atuam no TCE, também homenageou Luiz Arcoverde com essas palavras: “Ele não sabia dizer ‘não’ a ninguém que o procurava em busca de um aconselhamento ou de uma solução para o seu problema. Por isso, era uma pessoa difícil de se conceituar porque era completo em todos os sentidos. Tinha uma alma pura e generosa, e pelo cabedal de boas ações que fez na terra, certamente está num bom lugar”, afirmou.


MEMORIAL - O procurador-geral do Ministério Público de Contas, Cristiano Pimentel, também homenageado na sessão por ter recebido da Assembleia Legislativa, na semana passada, o título de “Cidadão Pernambucano”, disse que Luiz Arcoverde Cavalcanti foi uma “referência” para os servidores do TCE, tanto pelos conhecimentos que tinha como também por ter sido durante vários anos o mais antigo servidor da Casa. E sugeriu que a máquina de escrever em que ele trabalhou durante várias décadas fosse incorporada ao Memorial da instituição.

O conselheiro João Carneiro Campos não se pronunciou na sessão solene, mas logo depois deu este depoimento sobre o homenageado: “Lamento profundamente não ter tido a oportunidade de conviver com ele. Quando cheguei a esta Casa, já o encontrei aposentado. Mas, por tudo que foi dito aqui nesta sessão, conclui-se que ele deixou um pouco de si nesta instituição, que tanto amou e reverenciou. Hoje faz parte de nossa história por ter sido também um dos grandes responsáveis pela boa imagem de que esta instituição desfruta perante a sociedade pernambucana”.

Gerência de Jornalismo (GEJO), 01/11/2017