Suporte técnico a sistemas - segunda a sexta - 0800 281 7717 ou atendimento@tce.pe.gov.brdas 8h às 17h.

Ouvidoria - 0800 081 1027- segunda a sexta, das 7h às 13h ou ouvidoria@tce.pe.gov.br

 

O atendimento no setor de protocolo do TCE deverá ser feito por meio digital na opção "Consultar/Protocolar documentos"Dúvidas pelo telefone 0800 281 7717 ou pelo email atendimento@tce.pe.gov.br.


Na última terça-feira (22), o conselheiro do Tribunal de Contas de Pernambuco, Dirceu Rodolfo de Melo Júnior, realizou mais um encontro para tratar das ações que serão implantadas no Estado nos atendimentos às pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Dessa vez, além do secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, também participou o presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado (Cremepe), Maurício Matos.

Durante a reunião foram discutidas propostas para descentralizar a realização dos diagnósticos, a exemplo da capacitação de profissionais de outras especialidades médicas. Atualmente, há uma concentração de demandas para neuropediatras diagnosticarem o TEA, sobrecarregando os atendimentos. "Os casos estão crescendo e estamos aprofundando os conhecimentos acerca do assunto. O que nos fez chamar o Cremepe aqui foi o fato da falta de profissionais que realizam diagnóstico. Hoje, quem regulamenta a profissão é o Conselho Regional de Medicina. Gostaríamos de saber se outras áreas médicas poderiam realizar esse papel também", explicou o conselheiro.

André Longo também reforçou que é necessário que o Cremepe construa o caminho para que outros médicos, além dos neuropediatras, também participem, a exemplo de clínicos gerais, neurologistas, psiquiatras e pediatras.

De acordo com Maurício Matos, "o diagnóstico tardio é um problema, então é importante que outros profissionais que acompanhem a criança estejam atentos, a exemplo dos professores”.

"Os médicos podem gerenciar o processo dos pacientes com TEA, mas é necessário que eles sejam acompanhados por fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais e professores de forma correta também", pontuou a psiquiatra infantil Jadia Poggi na ocasião.

No final da reunião, ficou decidido que a Secretaria de Saúde irá fazer uma análise na composição do quadro de profissionais médicos, de forma a identificar os que possam realizar este atendimento, e que estão trabalhando em outras áreas, para que sejam realocados. 

Outro consenso por parte dos participantes foi a realização de capacitação e sensibilização dos profissionais que atuam nas equipes da Atenção Primária, tendo em vista que são os primeiros profissionais a acompanhar as crianças nos primeiros meses de vida.

A reunião foi mais uma etapa de discussões na elaboração de um Plano de Ação que está sendo feito pelo  Governo do Estado, em resposta ao Termo de Ajuste de Gestão (TAG) assinado em abril com o TCE, quando a Secretaria de Saúde do Estado se comprometeu a adotar políticas públicas destinadas às pessoas com transtorno do espectro autista. A previsão de entrega do documento é dia 30 de novembro.

Também participaram do encontro o gerente de Atenção Básica à Saúde Mental do Estado, João Marcelo Costa, a psiquiatra infantil Jadia Poggi, e a psiquiatra forense Milena França. Pelo TCE, estiveram presentes a diretora do Departamento de Controle Estadual do TCE, Ana Luisa Furtado, a gerente de Auditoria na Saúde, Adriana Leite, os auditores João Francisco Alves e Alene Bezerra, a assessora técnica do Departamento de Controle Estadual do TCE, Roberta Branco, e a assessora técnica do gabinete do conselheiro relator, Maria Evangelina Guerra.

Gerência de Jornalismo (GEJO), 25/11/2022